active-steparrow_backarrow_forwardarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upbag-iconcalendarclockclosecogcompleted-stepcoupondate-icon3FA37AC4-B042-4E97-8D38-B423484C5304mail-envelope-closedexternal-linkeye0FD0FF81-23FC-4DD4-8EB0-440DB49230D7facebookfeedback-likefeedback-simpleC8A9AC3D-2D6E-4A69-AC16-9B135FCBBA1BC8A9AC3D-2D6E-4A69-AC16-9B135FCBBA1Bgoogle_plusgreen-checkheart-iconE154FAFA-5BAB-47C9-B495-5E26A0684D4Eic-access-time-black-24-pxic-arrow-backic-arrow-nextic-instagram-black-24-pxic-map-black-24-pxic-phone-black-24-pxic-searchinstagramlistlocationmapmenu9F521724-7403-43D6-BAC1-5F75BCB2B889notification-activenotificationpending-steppinterestpowered_by_zomatosearchslider-arrowsmsstarstory-arrowsynctagtrash-removetwitteruser-iconuser-profilewishlistyoutubezoom-inzoom-out
Voltar

Estudos de Arquitetura

....... Memória Descritiva ....... CLIQUE AQUI

Nadir Afonso e a arquitetura

 

Foi o destino que determinou que Nadir Afonso fosse arquiteto, um acaso que o levou a trabalhar com dois dos nomes maiores da arquitetura universal, Le Corbusier, em Paris, França (1946- 1948 e 1951) e Óscar Niemeyer em S. Paulo, Brasil (1952 – 1954).
Foi autor de exemplos significativos na arquitetura portuguesa das décadas de 1950 e 60, destacando-se a Panificadora de Chaves. Muitos dos seus esboços aqui representados não saíram do papel, mas serviram de inspiração. A partir de 1965 abandonou definitivamente a arquitetura e consciente da sua inadaptação dedicou-se em exclusivo às artes plásticas, debruçando-se sobre a Cidade, produzindo uma série de obras que a representam.

Anterior
Próximo