active-steparrow_backarrow_forwardarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upbag-iconcalendarclockclosecogcompleted-stepcoupondate-icon3FA37AC4-B042-4E97-8D38-B423484C5304mail-envelope-closedexternal-linkeye0FD0FF81-23FC-4DD4-8EB0-440DB49230D7facebookfeedback-likefeedback-simpleC8A9AC3D-2D6E-4A69-AC16-9B135FCBBA1BC8A9AC3D-2D6E-4A69-AC16-9B135FCBBA1Bgoogle_plusgreen-checkheart-iconE154FAFA-5BAB-47C9-B495-5E26A0684D4Eic-access-time-black-24-pxic-arrow-backic-arrow-nextic-instagram-black-24-pxic-map-black-24-pxic-phone-black-24-pxic-searchinstagramlistlocationmapmenu9F521724-7403-43D6-BAC1-5F75BCB2B889notification-activenotificationpending-steppinterestpowered_by_zomatosearchslider-arrowsmsstarstory-arrowsynctagtrash-removetwitteruser-iconuser-profilewishlistyoutubezoom-inzoom-out
LOTAÇÃO DO CENTRO COMERCIAL
EM ATUALIZAÇÃO Em atualização
ESPERAMOS POR SI Esperamos por si
PODEM EXISTIR RESTRIÇÕES Podem existir restrições
VISITE-NOS MAIS TARDE Visite-nos mais tarde
EM ATUALIZAÇÃO Em atualização
OCUPAÇÃO BAIXA Ocupação baixa
OCUPAÇÃO MÉDIA Ocupação média
OCUPAÇÃO ELEVADA Ocupação elevada
VER MAIS
Voltar

Movimento das Cidades na obra de Nadir Afonso

....... Memória Descritiva ....... CLIQUE AQUI

O gesto aparentemente rápido das cidades nadirianas de extraordinária variedade cromática, num frenético movimento das cidades modernas distinguem-se tanto pela ousadia das suas composições como pela sua originalidade. Se para Nadir Afonso a representação ou evocação dos objetos não é qualidade essencial da obra de arte, a harmonia é a qualidade que distingue a obra de arte dos objetos e é de fonte geométrica. “A morfometria – escreve Nadir Afonso – é a qualidade de fonte matemática, é a essência da obra de arte, sendo ela que, numa ilusão e imanência, imprime alma nas outras qualidades próprias dos objetos: a perfeição surge-nos, assim, mais justa, a harmonia mais pura, a evocação mais sincera, a originalidade mais espontânea, como se os objetos fossem banhados de espiritualidade… quando, na realidade, apenas são reestruturados segundo aquela mesma geometria — considerada por Platão, “a beleza absoluta” — que rege as formas elementares da natureza.”

Anterior
Próximo