arrow_backarrow_forwardarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upbag-iconcalendarclockclosecogcoupon3FA37AC4-B042-4E97-8D38-B423484C5304mail-envelope-closedexternal-linkeye0FD0FF81-23FC-4DD4-8EB0-440DB49230D7facebookfeedback-likefeedback-simpleC8A9AC3D-2D6E-4A69-AC16-9B135FCBBA1BC8A9AC3D-2D6E-4A69-AC16-9B135FCBBA1Bgoogle_plusheart-iconE154FAFA-5BAB-47C9-B495-5E26A0684D4Eic-access-time-black-24-pxic-arrow-backic-arrow-nextic-instagram-black-24-pxic-map-black-24-pxic-phone-black-24-pxic-searchinstagramlistlocationmapmenu9F521724-7403-43D6-BAC1-5F75BCB2B889notification-activenotificationpinterestpowered_by_zomatosearchslider-arrowsmsstarstory-arrowsynctagtrash-removetwitteruser-iconuser-profilewishlistyoutubezoom-inzoom-out
LOTAÇÃO DO CENTRO COMERCIAL
EM ATUALIZAÇÃO Em atualização
ESPERAMOS POR SI Esperamos por si
PODEM EXISTIR RESTRIÇÕES Podem existir restrições
VISITE-NOS MAIS TARDE Visite-nos mais tarde
EM ATUALIZAÇÃO Em atualização
OCUPAÇÃO BAIXA Ocupação baixa
OCUPAÇÃO MÉDIA Ocupação média
OCUPAÇÃO ELEVADA Ocupação elevada
VER MAIS
COVID-19 UPDATE | Restauração – obrigatório Certificado Digital ou Teste Negativo à COVID - SAIBA MAIS -
Voltar

Movimento das Cidades na obra de Nadir Afonso

....... Memória Descritiva ....... CLIQUE AQUI

O gesto aparentemente rápido das cidades nadirianas de extraordinária variedade cromática, num frenético movimento das cidades modernas distinguem-se tanto pela ousadia das suas composições como pela sua originalidade. Se para Nadir Afonso a representação ou evocação dos objetos não é qualidade essencial da obra de arte, a harmonia é a qualidade que distingue a obra de arte dos objetos e é de fonte geométrica. “A morfometria – escreve Nadir Afonso – é a qualidade de fonte matemática, é a essência da obra de arte, sendo ela que, numa ilusão e imanência, imprime alma nas outras qualidades próprias dos objetos: a perfeição surge-nos, assim, mais justa, a harmonia mais pura, a evocação mais sincera, a originalidade mais espontânea, como se os objetos fossem banhados de espiritualidade… quando, na realidade, apenas são reestruturados segundo aquela mesma geometria — considerada por Platão, “a beleza absoluta” — que rege as formas elementares da natureza.”

Anterior
Próximo